21.5 C
Santo Antônio de Jesus
segunda-feira, 27 setembro, 2021

‘Dizem que somos a nova Venezuela’: brasileiros contam como sobrevivem à pior crise da história do Líbano

spot_img
spot_img

Escassez de alimentos, medicamentos, combustíveis, energia elétrica, queda do poder aquisitivo, desvalorização da moeda nacional diante do dólar. O Líbano vive a pior crise econômica de sua história.

A trágica situação indigna a população, que volta a ocupar as ruas das principais cidades, em plena pandemia de Covid-19, para protestar contra um governo incapaz de encontrar saída para os problemas.

O estudante de jornalismo Jad El Hattouni não mede as palavras para descrever a situação no Líbano: “tem coisas graves e tem coisas gravíssimas acontecendo aqui”. O jovem líbano-brasileiro que vive na capital Beirute lembra que a crise começou no final de 2019, devido a impostos que o governo determinou sobre combustíveis, tabaco e a telefonia online.

Rapidamente, a insatisfação tomou o país e grandes protestos foram realizados ao longo de meses. A mobilização só foi pausada no início de 2020 devido à pandemia de Covid-19.

A explosão no porto de Beirute, em 4 de agosto de 2020, agravou a situação do país e a revolta dos libaneses com uma velha classe política marcada pela corrupção e pela inação. A crise econômica, política e social parecia ter atingido o ápice após a tragédia que deixou mais de 200 mortos.

Desde então, o presidente do Líbano, Michel Aoun, e o primeiro-ministro interino do Líbano, Hassan Diab, continuam penando para tentar compor um governo, enquanto o gabinete demissionário do premiê designado Saad Hariri segue responsável pelo país.

“Falta comida, remédios, gasolina e diesel, energia elétrica, dinheiro. Estamos divididos entre quem tem dólar e quem não tem. Quem tem dólar ainda consegue viver, mas é muito difícil pra quem não tem. As pessoas estão esperando que os turistas venham para o Líbano para trazer dinheiro e aliviar a crise. Mas como os turistas vão vir pra cá diante de todas essas dificuldades, se não tem nem transporte, nem gasolina para eles poderem passear?”, questiona Jad.

O que o estudante de jornalismo relata faz parte da vida cotidiana dos libaneses, que enfrentam a falta de produtos e alimentos básicos nos supermercados, prateleiras vazias nas farmácias, racionamento de combustíveis – com filas quilométricas nos postos para abastecer os veículos – além de cortes diários de energia elétrica.

No último sábado (26), quando a lira libanesa atingiu seu nível mais baixo em relação ao dólar, manifestantes invadiram as ruas da capital Beirute e de outras cidades para protestar. Novas manifestações ocorreram na quarta-feira (30) em Tripoli, no noroeste do país.

A dolarização forçada da economia do Líbano impulsiona a inflação. Atualmente US$ 1 está valendo 1.512 liras libanesas, mas, no mercado negro, pode chegar a custar 17 mil liras libanesas.

No ano passado, quando o país anunciou o primeiro calote do pagamento da dívida pública, o Produto Interno Bruto (PIB) teve uma queda de 20% e a lira libanesa perdeu 85% de seu valor. O poder aquisitivo despencou, enquanto o preço de produtos básicos continua a aumentar de forma vertiginosa.

Com a crise, metade da população passou para baixo da linha da pobreza – uma situação inimaginável há alguns anos nesta que já foi uma das nações mais prósperas do Oriente Médio.

Os libaneses estão cientes que as perspectivas para o futuro não são otimistas. Segundo um relatório recente do Banco Mundial, a economia libanesa deve se reduzir cerca de 10% neste ano.

G1

Foto: AP Photo/Hussein Malla

spot_img
spot_img

Leia Também

spot_img

Leia Mais

spot_img

Deixe uma resposta